Médica formada na Unigranrio revela os riscos da COVID e a falta de apoio do poder público nas favelas do Rio de Janeiro

Assessor de imprensa da Unigranrio: Alberto Corona, Telefone: (21) 99308-5807, Email: imprensa@unigranrio.com.br

Jade Malheiros Almawy, médica de família e comunidade, além de ex-aluna da Unigranrio, participou de live sobre “coronavírus nas favelas”. Ela é médica preceptora do Programa de residência em Medicina da Família e Comunidade da SMS-RJ, que atua na Clínica da Família Zilda Arns. Sua palestra focou no grave problema enfrentado pela maioria dos moradores de comunidades carentes, visto que já são 172 os mortos, aleḿ de 504 casos pela COVID-19 nas favelas do Rio de Janeiro. Jade enumerou fatores desse aumento em função de casas com aglomerações de pessoas, péssimas condições de saneamento, onde o acesso à saúde também é dificultado, entre outros.

Poder público não está atuando nas favelas e periferias do Rio

A preocupação com a transmissão por COVID-19 em favelas e periferias é grande. Ainda é notável tanto a falta de recursos como a de conscientização nesses locais. Segundo Jade Almawy, as favelas são sempre esquecidas pelo poder público, onde os moradores sofrem as consequências do descaso. “Hoje, numa pandemia, isso se faz cada vez mais evidente diante das dificuldades de se protegerem, tendo em vista que a maioria não pode comprar álcool em gel e máscaras, tão necessários nesse período crítico da doença”, enumera Jade.

A médica Jade deu parabéns à iniciativa do CAMU União

 Jade Almawy parabeniza aos organizadores do Simpósio pela iniciativa dessa jornada de Medicina, por abrirem portas para atualização sobre um assunto tão urgente, como COVID. “Achei incrível esse simpósio on-line, principalmente por discutir sobre funcionamento da Atenção Primária à Saúde e, também, suas formas de abordagem comunitária”, explica.

Durante nossa entrevista, a doutora Jade chama a atenção para a necessidade de uma nova disciplina no curso de Medicina

“Estamos vivendo um novo tempo com o surgimento da COVID-19 em todo o mundo. A necessidade de estar constantemente atualizado indica que o estudante de Medicina necessita ter uma nova disciplina, visando, inclusive, motivação para ampliação de estudos com evidências científicas sólidas”.

Jade Almawy também comentou a respeito dos profissionais recém-formados, que procuram rapidamente o mercado de trabalho em busca de sucesso, sem antes olhar para a logística de segurança hospitalar

“Eu sempre fico preocupada com recém-formados em medicina, porque muitos têm o desejo imediato de ganhar dinheiro, embora, sem antes avaliar se os ambientes de trabalho  oferecem estrutura adequada. Vejam os casos atuais, onde muitos atuam sem o mínimo de segurança”, conclui Jade.

Comentários