Pesquisa da Unigranrio condecorada pelo CRQ poderá ser útil frente a doenças tropicais

Pesquisa do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Ciências da Unigranrio (PPGEC) recebe menção do Conselho Regional de Química/Terceira Região/ do Rio de Janeiro. A professora e pesquisadora Gisele Capaci Rodrigues, coordenadora-adjunta desse Programa, tem motivos para comemorar seu projeto científico, em andamento, que objetiva investigar moléculas com ação de amplo espectro, que possam atuar frente a doenças tropicais como doença de chagas, dengue, zika vírus e chikungunya. Gisele afirma que no Brasil, a farmacologia é praticamente inexistente, com raríssimos investimentos por parte das indústrias farmacêuticas, além de poucas pesquisas científicas nessa área.

Entrevistamos a pesquisadora Gisele Capaci Rodrigues, que fez um relato sobre sua pesquisa. “O sonho de ter uma patente registrada será o melhor presente para todos da Unigranrio”.


Giseli Capaci descreve mais sobre sua pesquisa científica.

“A partir de um protótipo que demonstrou efeito expressivo como potente e seletivo inibidor de um alvo quimioterápico (anidrase carbônica deTrypanosoma cruzi), agente etiológico da doença de Chagas, este trabalho tem como obetivo específico a investigação de moléculas com ação de amplo espectro, que atuem frente a doenças tropicais negligenciadas, como: doença de Chagas, dengue, Zika vírus e Chikungunya”.

O desenvolvimento dessas novas moléculas está sendo realizado pela professora Giseli Capaci, com apoio dos alunos de Química e Engenharia Química, sob coordenação do professor Vitor Sergio Lopes. É dele a indicação dessa pesquisa condecorada pelo CRQ/3ª Região.

Matheus de Freitas, 7º período de Engenharia Química da Unigranrio, relata a importância da Iniciação Científica em sua formação acadêmica.

“Eu fiz uma prova pela Petrobras, recentemente, onde consegui êxito, tudo graças à qualidade do ensino, dos laboratórios e da competência dos professores da Unigranrio. A experiência na área de Iniciação Científica está sendo fundamental para que meu sonho profissional, na área de Síntese Orgânica, tudo sobre minha linha de pesquisa. O aprendizado do trabalho em grupo é muito bom e, desta forma, só tenho a agradecer à nossa orientadora Giseli” 965471319”.

Matheus de Freitas, que reside no bairro da Pavuna, no Rio de Janeiro, está no 7º período de Engenharia Química da Unigranrio. Sua trajetória estudantil tem raízes no CAP Unigranrio/São João de Meriti. A irmã dele, formada em Nutrição pela Unigranrio, foi uma das incentivadoras desse pesquisador.

Outro empreendedor deste seleto grupo de alunos de Engenharia Química é Leonardo Ferreira Santana, que está no 7º período desse curso.

Ele, que reside em Nova Iguaçu, iniciou sua graduação no curso de Engenharia de Petróleo e Gás, mas deu uma guinada para engenharia química.

“A escolha da Unigranrio começou pela nota junto ao MEC, mas avaliei as instalações, os laboratórios e o time de professores de alta competência. Na iniciação científica, eu consegui um avanço enorme, que me proporcionou amplo conhecimento sobre fármacos e outros temas. Ainda penso fazer especialização, além de atuar em alguma indústria farmacêutica, porém não descarto a possibilidade de ser professor universitário”, conclui. 974644072


Felipe Leira Reinaldo, do 6º período de Engenharia Química, atua com informática e ainda acha tempo para fabricar cerveja artesanal nas horas vagas.

Felipe Reinaldo acha que o dia deveria ter 28 horas, só para preencher mais horas de trabalho. O cervejeiro e pesquisador do curso de Engenharia Química ainda soma mais uma profissão em seu currículo, já que atua no campo da informática. Ele tem planos que estão para decolar, muito em breve:

“Todos os professores da Unigranrio dão exemplos que vão muito além da sala de aula, como propõe o slogan dessa universidade. Nosso ensino não é engessado, porque tem na pesquisa uma alavanca para o sucesso. A motivação é meu lema, minha inspiração para tudo o que invisto na vida. Dar aula, futuramente, é uma opção, mas os laboratórios sempre me direcionam para algo que possa produzir novos fármacos, novos experimentos”, adianta Felipe.

Segue um breve currículo da pesquisadora Gisele Capaci Rodrigues.

Com formação Química e Farmacêutica, ela é mestre e doutora em Química, com ênfase em Química Orgânica pelo Instituto Militar de Engenharia (IME); pós-doutora em Microbiologia pelo Instituto de Microbiologia Paulo de Góes (UFRJ), coordenadora-adjunta do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Ciências da Unigranrio (PPGEC), onde é Bolsista 1A do Programa Institucional de Bolsas de Produtividade em Pesquisa (PROPESQ), com dedicação exclusiva nas seguintes funções: professora da graduação; coordenadora-adjunta do curso de Mestrado Profissional em Ensino das Ciências; orientadora de alunos de Mestrado, Iniciação Científica e trabalho de conclusão de curso com projetos voltados às Investigações de compostos com potencial bioatividade frente a doenças infecciosas/negligenciadas, bem como pesquisas relacionadas ao ensino de Química e de Ciências.

Galeria de Fotos da Matéria

Comentários